sábado, 11 de agosto de 2012

Transição Evolucionária Entre Peixes e Anfíbios Atuais

Você conhece o Ichthyostega? Esse animal viveu há muito tempo: cerca de 375 milhões de anos atrás. 

Esse anfíbio primitivo é considerado uma “transição evolucionária” entre os peixes e os anfíbios atuais. Ou seja, ele é muito útil para os cientistas no que diz respeito à compreensão de como passamos a andar, já que é um dos primeiros animais a sair da água para viver na terra.

No final do Período Devoniano, esse animal de quatro membros vivia nos mares pouco profundos do Hemisfério Norte. Com cerca de 1,5 metros, ele se alimentava de pequenos crustáceos, moluscos, peixes e insetos em locais perto das costas.

Peixes antigos e outros tetrápodes parentes do Ichthyostega tinham a capacidade de “rodar” suas barbatanas, o que permitia que eles se movessem bem em terra. 

Ao estudar o Ichthyostega, os pesquisadores descobriram algumas características anatômicas básicas necessárias para a evolução da vida terrestre, que aparecem pela primeira vez em habitantes do mar.
Essas características seriam recursos antes utilizados para melhorar a natação, que mais tarde foram usados para a movimentação em terra. Mas essa “movimentação” era bastante desajeitada.

A líder do estudo publicado na revista Nature, Stephanie Pierce, disse que muitos museus e livros de ciência representam o andar do Ichthyostega de forma errada. Ele é muitas vezes descrito como uma “salamandra”, marchando convencionalmente.
Mas a primeira reconstrução 3D do fóssil do animal concluiu que a articulação de seu ombro e de seu quadril impedia que ele tivesse uma caminhada como a da salamandra, com passos convencionais, porque seus membros não giravam ao longo de seu eixo (um movimento, aliás, fundamental para a locomoção de animais terrestres modernos, inclusive nós).

Tudo isso sugere que os primeiros animais não podiam andar ou correr como nós, mas sim avançavam de forma arrastada, usando as patas dianteiras como “muletas”, apoiando-as para empurrar seu corpo para cima e para frente na terra, enquanto as pernas traseiras e a cauda se arrastavam atrás.

“Os cotovelos do Ichthyostega também o ajudaram a conseguir ficar parado em terra, enquanto na água o ajudavam a levantar a cabeça para fora dela para respirar e processar alimentos. Em água, seus membros eram provavelmente usados como ‘pás’ para nadar. As pernas traseiras não tinham muito uso em terra, em comparação com as patas dianteiras”, explicou Pierce.

Outro estudo, publicado na revista Proceedings of the Royal Society B, da Universidade de Chicago (EUA), analisou uma enguia de 345 milhões de anos atrás (Tarrasius problematicus) e descobriu que ela tinha uma coluna com múltiplos segmentos, semelhante à de animais terrestres atuais. 

Essa é mais uma prova de que os fatores e características físicas que levaram a vida terrestre, evoluíram pela primeira vez no mar.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

NÃO ACREDITO EM TUDO QUE ME DIZEM. E SÓ ACREDITO NA METADE DO QUE VEJO.