segunda-feira, 12 de março de 2012

PESSOAS NÃO HUMANAS

Foto: internet
Pesquisadores que participaram de um simpósio organizado durante a reunião anual da Sociedade Americana para o Avanço da Ciência (AAAS), em Vancouver, no Canadá, mostraram evidências de que cetáceos, como golfinhos e baleias, têm consciência de si mesmos, característica que até pouco tempo era considerada exclusivamente humana. Ou seja, esses animais possuem um comportamento complexo e sentem dor (não apenas física, mas também emocional).

Nos últimos anos, diversos trabalhos de pesquisa científica demonstraram que os golfinhos têm muitas características que os assemelham aos seres humanos, tais como o uso de nomes próprios e um cérebro complexo que permite resolver problemas, além da já citada autoconsciência.

Por conta disso, os cetáceos poderiam entrar em normas éticas para a proibição de sua caça, cativeiro ou posse. Assim, desde 2010, fala-se em uma “Declaração Universal dos Direitos dos Cetáceos”. 

Para dar mais ênfase às afirmações dos cientistas, o espanhol ABC, citou o livro "Em defesa dos golfinhos, a nova fronteira moral", do filósofo Thomas White. Na obra, ele escreve que “a evidência científica agora é forte o suficiente para apoiar a alegação de que os golfinhos são como os seres humanos, autoconhecedores, seres inteligentes, com emoções e personalidades. Assim, os golfinhos devem ser considerados como pessoas não humanas, sendo valorizados como indivíduos. Do ponto de vista ético, as lesões, mortes e cativeiro são algo errado”.

sexta-feira, 9 de março de 2012

A LUA AFUNDOU O TITANIC



Um estudo sobre as marés tira parte da culpa do capitão do Titanic, Edward Smith, 100 anos depois do acidente. A poucos dias do centenário do famoso naufrágio, que aconteceu em 15 de abril de 1912 e matou 1.516 pessoas, um grupo de pesquisadores da Universidade do Estado do Texas encerrou o trabalho que busca examinar a influência da lua na presença de tantos icebergs na época e local do evento.

Desde o naufrágio, pesquisadores tentam entender o que levou o Capitão Smith a ignorar o aviso da presença de icebergs nas águas em que navegava. Segundo historiadores, Capitão Smith foi escolhido para liderar o Titanic por ser um dos mais cautelosos e experientes marinheiros da época. Smith já havia navegado várias vezes o Atlântico norte, e conhecia muito bem a rota.

Segundo o físico Donald Olson, os icebergs da Groelândia costumam encalhar nas águas rasas da província canadense Labrador, e só podem continuar em direção ao sul quando derretem e perdem volume. A não ser que uma maré alta os empurre dali, os icebergs chegam às rotas dos navios apenas quando já estão praticamente inofensivos.

A equipe de Olson investigou a especulação do oceanógrafo Fergus Wood, de que a lua se aproximou da Terra de maneira rara em janeiro de 1912, e produziu marés tão altas que mais icebergs se separaram da Groenlândia e boiaram para o sul, ainda sem derreter. Naquele mês, dos últimos 1.400 anos, foi quando a lua esteve mais próxima da Terra. Olson também acredita que outro evento tenha aumentado ainda mais a maré: em 4 de janeiro de 1912, o sol e a lua se alinharam, de maneira que a força gravitacional dos dois objetos se somou.

“Essa configuração maximizou a força da lua sobre as marés nos oceanos da Terra. Isso é marcante”, afirma Olson. A pesquisa determinou que para alcançar a rota dos navios na metade de abril, o iceberg que foi atingido pelo Titanic deve ter se soltado da Groenlândia em janeiro de 1912. A maré alta causada pela combinação de eventos astrológicos teria sido suficiente para soltar icebergs da geleira e oferecer espaço suficiente para que eles boiassem por cima das águas rasas de Labrador e se movessem em direção às rotas marítimas.

A descoberta da equipe de Olson pode tornar o Capitão Smith inocente, por demonstrar que ele tinha um bom motivo para não se preocupar com a notícia de que havia um iceberg por perto, afinal, as pedras de gelo não deveriam ser tão numerosas ou grandes quanto foram.

Fonte: Hypescience