domingo, 21 de novembro de 2010

EM BUSCA DE NOVOS ADEPTOS

Grupos de ateístas buscam novos adeptos nos Estados Unidos

Foto: todoespacoonline.com

Antes do Natal e do final do ano, os americanos estão prestes a serem atingidos por uma série de anúncios

Antes do Natal e do final do ano, os americanos estão prestes a serem atingidos por uma série de anúncios que promovem a alegria e a sabedoria do ateísmo.

Quatro organizações nacionais diferentes e concorrentes, que representam diversas correntes de ateus, humanistas e livre pensadores em breve espalharão seu evangelho por meio de outdoors, ônibus, trens e em jornais e revistas.

O mais recente, lançado na terça-feira em Washington, é o primeiro a incluir anúncios na TV a cabo. A campanha justapõe passagens particularmente primitivas – até mesmo bárbaras – da Bíblia e do Alcorão com citações de ateus e humanistas como Albert Einstein e Katharine Hepburn.

Os grupos dizem que estão surfando nesta onda porque são conscientes de que há um grande e inexplorado potencial para suas fileiras. O percentual de adultos americanos que dizem não ter religião duplicou nas últimas duas décadas, para 15% da população, de acordo com a American Religious Identification Survey, realizada por pesquisadores do Trinity College em Harford e divulgada em 2008. Mas o número de ateus em organizações não passa de dezenas de milhares.

Essa é uma razão para as múltiplas campanhas: os grupos estão competindo uns com os outros para ganhar mercado, diz Mark Silk, diretor fundador do Centro Greenberg para o estudo da religião na vida pública, que também é do Trinity College. "Há um ambiente competitivo para os 'sem religião', e eles estão atrás de qualquer participante que possam agarrar", disse Silk.

Baseado na generosidade de alguns ateus ricos, esses grupos são capazes de financiar os esforços para recrutar e organizar a população que em geral não se envolve ou é enrustida.

"A única maneira de combater o estigma sobre os ateus e agnósticos é fazer com que as pessoas saibam como eles são. É a mesma ideia do sair-do-armário das campanhas pelos direitos dos gays", disse Annie Laurie Gaylor, co-presidente da Fundação para a Liberdade de Religião, em Madison, Wisconsin, um dos grupos que veicula propagandas.

Os líderes dos grupos dizem que estão tentando mostrar o secularismo em um momento em que a direita religiosa e políticos que dizem que os Estados Unidos são uma "nação cristã" estão em marcha, graças ao resultado das últimas eleições legislativas, quando não apenas os falcões do déficit ganharam assentos no Congresso, mas muitos religiosos conservadores também.

Várias campanhas são imaginadas não apenas para os não crentes, mas também para liberais que podem se alarmar com as brechas no muro que separa igreja e estado. Os ateus acreditam que as pessoas que são religiosas e politicamente liberais têm mais em comum com ateístas e secularistas do que com religiosos conservadores.

"Precisamos denunciar os políticos que alegam que a lei americana deve ser baseada na Bíblia e nos Dez Mandamentos", disse Todd Stiefel, um executivo aposentado da indústria farmacêutica que está por trás da campanha publicitária que cita passagens alarmantes das Escrituras. "Nossos pais fundadores criaram uma democracia secular."

A campanha mais cara é da Associação Humanista Americana. Sfiefel doou 150 mil dólares à fundação – três quartos do custo, parte do qual destinado a anúncios em TV a cabo. A campanha cita passagens bíblicas sobre as mulheres, a homossexualidade ou a ira de Deus, como esta, do Antigo Testamento:
"Samária levará sobre si a sua culpa, porque se rebelou contra o seu Deus; cairá à espada; seus filhinhos serão despedaçados, e as suas mulheres grávidas serão fendidas" (de Oseias 13:16).
Isso é apresentado ao lado de uma citação de Albert Einstein, dizendo que "não pode imaginar" como um Deus.

As campanhas variam do amigável ao confronto. No lado mais briguento do espectro, a Ateus Americanos, fundada em 1963 por Madalyn Murray O'Hair, colocou um outdoor pouco antes do Dia de Ação de Graças num túnel entre New Jersey e Nova York. Apresentava um presépio e as palavras: "Você sabe que é um mito. Nesta temporada, comemore a razão".

FONTE: veja.abril.com

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

DEUS NÃO ESTÁ NO RIO GRANDE DO NORTE

O Rio Grande do Norte perdeu aproximadamente 300 jovens que tinham entre 18 e 24 anos, somente em 2009, para a violência que vem crescendo na maioria dos Estados do Nordeste ao longo dos últimos anos. Esses quase 300 jovens potiguares morreram vítima de assassinatos, acidentes de trânsito, afogamentos etc. Os números fazem parte da última pesquisa divulgada na sexta-feira passada, 12, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A Estatística de Registro Civil, publicada desde 1972 no Brasil, alerta para os riscos que sofrem os jovens brasileiros, hoje maiores vítimas da violência. O estudo traz uma relação das mortes violentas registradas nos Estados brasileiros com o total de mortes ocorridas em 2009. Nesta perspectiva, o Rio Grande do Norte ocupa o incômodo quarto lugar, no que se refere à região Nordeste. 17% das 1.752 mortes violentas registradas no RN é fruto de ações violentas contra jovens do sexo masculino que têm entre 18 e 24 anos - ou seja, 297,84 casos.


Para o professor e pesquisador da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Vanderlan Silva, a vulnerabilidade dos jovens está diretamente ligada à uma cultura machista. Ele ressalta que o jovem, especialmente do sexo masculino, está mais propício a sofrer com a violência, seja num acidente de trânsito, numa briga que resultará em assassinato. "A exposição dos rapazes é bem maior. Para cada uma mulher atingida por violência no Brasil, temos quatro rapazes. Essa é uma estatística na maior parte do Brasil", avaliar o professor.


Valderlan Silva, que é doutor em Ciências Sociais e realiza pesquisas ligadas à segurança pública, faz questão de frisar que as mortes violentas podem estar condicionadas à classe social. No caso do homicídio, ele afirma está mais ligado aos jovens da classe baixa - não excluindo aqueles de maior poder aquisitivo. É que jovens mais pobres enfrentam problemas como falta de educação, saúde, habitação, que influenciam diretamente nesta questão. Enquanto nos acidentes de trânsito, por exemplo, a maior incidência é para as classes média e alta.


Na região Nordeste, o pior índice de jovens entre 18 e 24 anos que morreram de forma violenta, tomando como base a relação mortes violentas/morte absoluta, é Alagoas, onde 21,1% das mortes ocorridas em 2009 foram fruto da violência. Já na outra parte do ranking, que teve o menor índice, está o Piauí, onde apenas 9,3% dos jovens foram vitimados pela violência, ou seja, foram assassinados, morreram em acidente etc. Em nível de Brasil, o pior índice é no Mato Grosso, com 23,8%, enquanto Amazonas e Roraima tiveram apenas 8,9%.


FONTE: Jornal de Fato 

domingo, 14 de novembro de 2010

DEZ SITES PARA OS FANÁTICOS POR LIVROS

Ela levou um pouco mais de tempo do que a música e o cinema para ser distribuída online, porém, como as outras artes, a literatura ganhou sites e redes sociais especificas para os seus aficionados. 
Por aqui, os leitores contam com duas redes sociais exclusivas, onde podem compartilhar informações sobre obras e seus autores, além de sites para a compra e o escambo de exemplares. Confira nossa relação de dez sites para os fanáticos por livors. 

1 – skoob

 
Rede social voltada para os amantes da leitura, o site permite fazer buscas por obras, autores e editoras.Também possibilita pesquisar quais usuários já leram as obras,  as notas que eles deram a elas,  comunidades e outros livros relacionados. Conta com 165.546 usuários, segundo o site.
www.skoob.com.br 

2 – o livreiro


O Livreiro
Lançado durante a Festa Literária Internacional de Parati (Flip) do ano passado, a rede social permite aos seus usuários cadastrar os livros lidos, escrever resenhas, e criar comunidades sobre os autores. Também conta com a participação de escritores. O layout é intuitivo, o que facilita a navegação. Conta com 85 mil membros.
www.olivreiro.com.br 

3 – Goodreads


Good Reads
Serviço parecido com o O Livreiro e com o Skoob, porém, em inglês. Permite pesquisar pelos mais populares, melhores do século, mais lidos na semana etc. Em um de seus serviços mais interessantes, é possível pesquisar citações dos autores presentes nas obras. www.goodreads.com 

4 – We Read


We Read
Também no formato de rede social, o site permitir pesquisar por autores e livros e suas resenhas relacionadas. Também conta com um acervo de 58 mil livros digitais disponíveis para a leitura. Possui integração com orkut, Facebook, Hi5 e MySpace.
http://weread.com

5 – Google Books


Google Books
Site do gigante das buscas para a pesquisa de livros. Permite encontrar reviews, capas, obras relacionadas e referências. Também oferece links para a compra de exemplares em lojas virtuais.
http://books.google.com 

6- Visual Bookshelf

 
Esse aplicativo para o Facebook permite ao usuário cadastrar os livros os quais ele já leu e aqueles os quais ele está lendo no momento. Também possibilita a criação de uma estante virtual com os exemplares para ser colocada na página inicial do perfil. Conta com 548 mil usuários cadastrados.
http://bit.ly/14WR71

7 – 22books


22 Books
Indicado para quem gosta de criar listas. O Site permite elaborar uma relação com o título, a capa e comentários sobre a obra, para serem  publicadas em redes sociais, sites e blogs. A temática é livre e fica ao gosto do usuário.
www.22books.com 

8 – Estante Virtual


Estante Virtual
O Estante Virtual é um site que conta com 6,8 milhões de livros cadastrados, espalhados em sebos por todo o Brasil. Após realizar a busca, o usuário pode fazer contato com o livreiro via telefone ou via site. Possui 1 749 vendedores cadastrados. É o maior sebo online do país.
www.estantevirtual.com.br 

9 -  Trocando Livros


Trocando Livros
Indicado para os usuários interessados em realizar trocas de exemplares. Após enviar um livro para um colega, a pessoa ganha um crédito, que pode ser usado para solicitar uma outra obra cadastrada no acervo. Conta com mais de 20 000 títulos, segundo o site.
www.trocandolivros.com.br 

10 – Clube de Autores


Clube de Autores
Indicado para escritores que desejam publicar seus livros de forma independente, o site trabalha com o sistema de impressão sob demanda. O autor faz o upload da obra e o site a coloca à venda. Toda vez que é uma compra é realizada, o serviço ordena a impressão do exemplar. O autor fica com parte dos lucros.
www.clubedeautores.com.br





sábado, 6 de novembro de 2010

EXPERIÊNCIAS ESPIRITUAIS NOS ANIMAIS

Se você já teve visões, sensações fora do corpo ou coisas do tipo, seu JUMENTO também pode ter tido. De acordo com um proeminente neurologista que analisou os processos da sensação espiritual por mais de três décadas, animais, e não apenas pessoas, podem ter experiências espirituais.

Pesquisas sugerem que tais experiências têm origem em áreas primitivas do cérebro humano, compartilhadas por outros animais com estruturas cerebrais parecidas com as nossas. O desafio, é claro, está em provar as experiências espirituais dos animais.

“Uma vez que só os seres humanos são capazes de comunicar através da linguagem a riqueza da experiência espiritual, é pouco provável que venhamos a ter certeza sobre o que um animal experimenta subjetivamente”, disse o professor de Neurologia na Universidade de Kentucky e autor do livro “A Porta Espiritual no Cérebro” (The Spiritual Doorway in the Brain), Kevin Nelson, segundo o Discovery News. O livro deve ser lançado em janeiro de 2011.


De acordo com Nelson, apesar da limitação, é razoável imaginar que os animais também sejam capazes de experiências espirituais, uma vez que as áreas mais primitivas do nosso cérebro por acaso são as relacionadas ao espiritual.

A descoberta parte de uma pesquisa com humanos que vem sendo publicada em muitos periódicos conceituados. Um estudo de Neurologia, por exemplo, estabeleceu que as experiências fora do corpo em seres humanos provavelmente são causadas pelo sistema de excitação do cérebro, que regula diferentes estados de consciência. “Nos humanos, sabemos que se rompermos as regiões cerebrais onde visão, coordenação motora, orientação no sistema gravitacional da Terra e noção da posição do corpo todas juntas, as experiências fora do corpo podem ser causadas literalmente pelo toque de um botão”, disse Nelson. “Não há absolutamente nenhuma razão para acreditarmos que isso seja diferente no cérebro de um cachorro, gato ou primata”.

O professor acredita que outros mamíferos também tenham experiências de quase-morte como aquelas relatadas por alguns humanos, que costumam dizer terem visto uma luz e sentido como se estivessem se movendo em um túnel. Esse fenômeno é causado pela susceptibilidade dos olhos ao baixo fluxo sanguíneo que ocorre durante um desmaio ou parada cardíaca. Conforme o fluxo de sangue diminui, a visão periférica é a primeira a falhar. “Não há motivo para crer que com os animais seja diferente”, disse Nelson. “Como esse túnel é para eles é outra questão”.

Já o aspecto luminoso da experiência de quase-morte poderia ser explicado por uma ocorrência de REM (Rapid Eye Moviment – movimento rápido de olhos) conscientemente. “Na verdade, a ligação entre REM e a crise fisiológica que causa a sensação de quase-morte é mais forte nos animais, como gatos e ratos, que podem ser estudados em laboratório”, afirma Nelson.

Experiências místicas – momentos inspirados por um senso de mistério e espanto – surgem dentro do sistema límbico. Quando partes específicas desse sistema são removidas dos cérebros dos animais, drogas alucinógenas como o LSD não fazem efeito. Uma vez que outros animais, como os primatas, cavalos, gatos e cachorros também possuem estruturas cerebrais similares, é possível que eles também experimentem momentos místicos, e podem até ter um senso de unicidade espiritual, de acordo com Nelson.

Marc Bekoff, professor de Ecologia e Biologia Evolutiva da Universidade de Colorado, também acredita que os animais tenham experiências espirituais, que ele define como sendo não-materiais, intangíveis, instrospectivas e comparáveis às que os humanos têm.

Tanto ele quanto a primatologista Jane Godall têm observado chimpanzés dançando com total despreocupação em quedas d’água que surgem após fortes chuvas. Alguns dos chimpanzés até parecem dançar em um estado de transe, como alguns humanos fazem em rituais religiosos e culturais. Godall se perguntou se seria possível que por trás dessas performances dos chimpanzés estejam sentimentos como admiração e reverência. “Depois de uma exibição na queda d’água, o intérprete pode sentar em uma rocha, seus olhos acompanhando a água caindo. O que é isto? Tem a ver com essa água?”, questiona.
“Talvez muitos animais participem de rituais assim, mas ainda não fomos sortudos o bastante para vê-los”, escreveu Berkoff em um relato para a Psychology Today. “Por enquanto, vamos manter a porta aberta à ideia de que os animais possam ser seres espirituais e vamos considerar a evidência para essa afirmação”, acrescentou. “Rasa como é, a evidência disponível diz, ‘sim, animais podem ter experiências espirituais’, e precisamos conduzir novos estudos e discussões interdisciplinares antes de dizer se os animais podem ou não experimentar a espiritualidade”.

FONTE: HYPE SCIENCE