domingo, 21 de março de 2010

UM SANTO ASSASSINO

Constantino, o verdadeiro inventor do cristianismo romano, o mesmo cristianismo que atravessou o tempo e chegou aos nossos dias. O Imperador assassino que foi transformado em santo pela assassina IGREJA de sua época.

Reza a história que em 313 d.c., Cosntantino promulgou o Édito de Milão, declarando que o Império Romano era neutro em relação ao credo religioso, pondo fim a perseguição aos cristãos.

Em 325 d.c. aconteceu o primeiro concílio ecuménico da Igreja Católica(O concílio de Nicéia). Nesse concílio Constantino convocou aproximadamente 300 bispos para se decidir sobre o futuro do cristianismo em Roma. Nesse concílio ficou decidido que Jesus era divino, que Deus era três em um, e que os arianos eram hereges...

Em 326 d.c., movido por uma falsa acusação de sua mulher(Fausta), Constantino mandou matar o seu próprio filho(que teve fora do casamento). Tempos depois, ao descobrir que sua mulher havia mentido, ele mandou matá-la também. E ainda no mesmo ano, ele ordenou a morte do filho de sua irmã, isso depois de já ter mandado matar o marido da mesma(o seu cunhado e ex-amigo de guerras, Licínio).

Em 337 d.c., a beira da morte, Cosntatino foi batizado por um bispo ariano. Após sua morte a Igreja o transformou em santo, e até hoje a igreja ortodoxa grega o venera como tal. O são Constantino da diabólica Igreja assassina!!!

Mas fazer o que, se o passado da Igreja é um verdadeiro mar de sangue, né?

6 comentários:

  1. Caro Sr. Francisco,

    Por favor verifique melhor as fontes documentais em que o sr. baseia esta versão da história do Imperador Constantino, e principalmente esta confusão que o sr. faz imputando os crimes de Constantino à Igreja. Não houve assassinato de arianos ordenada pelo Concílio de Nicéia e nem do Imperador; e nem tampouco a morte de Licínio e dos outros familiares do Imperador se deram por motivação religiosa ou com a participação da Igreja. Veja o absurdo histórico que o sr. está ensinando e a temeridade espiritual em chamar a Igreja de Cristo em apreço de assassina e de estar banhada de sangue.
    O que eu acho interessante e parodoxal, é que cristãos evangélicos são capazes de se deliciarem com os salmos de um rei (Davi) que cometeu inúmeros assassinatos (e neste caso por motivo religioso) e condena um Imperador que sendo pagão, vai paulatinamente se convertendo à fé cristã. Se Davi é elevado ao pedestal de profeta e santo, não é nenhum absurdo a Igreja assim considerar aquele que visivelmente livrou o cristianismo de se desviar da herança dos apóstolos e de fornecer uma plataforma segura para a pregação do Evangelho.
    Por favor, não compre o discurso infundado e distorcivo dos inimigos da Igreja. Gostaria que o sr. fornecesse as fontes de sua informação.

    Atenciosamente,

    Pe. Mateus (Antonio Eça)
    pe.mateus@igrejaortodoxa.org

    ResponderExcluir
  2. Sr. Pe. Mateus, as fontes de minhas informações fundamentam-se nos bons livros de História. Dedique-se mais a pesquisa e menos a orações a imagens sem valor, que com certeza o sr. encontrará a verdade que não lhe foi ensinada no seu curso de teologia, pois nesses cursos essas verdades são omitidas.

    ResponderExcluir
  3. Caro Sr. Francisco,

    Infelizmente o senhor não está sendo honesto em sua resposta, pois nenhum "bom" livro de história afirma isto que o senhor afirmou. Se existe pelo menos um desses livros, é fácil, basta citá-lo.
    Veja aonde leva a ignorância e as generalizações, pois, se o sr. conhecesse com quem fala, não diria tal coisa sobre mim.
    Nasci em uma família evangélica e exerci o ministério pastoral protestante por 23 anos, mestre em teologia e professor de vários seminários evangélicos. Posso afirmar com absoluta convicção de que é exatamente nos cursos evangélicos de teologia que se omite a veradade. Melhor dizendo: De fato não omitem a verdade, porque não se pode omitir o que não se sabe. Simplesmente a ignoram, pois são reducionistas em seus conteúdos e muito limitados teologicamente.

    Conheço profundamente os bastidores das denominações evangélicas, e dos muitos pastores e lideranças evangélicas que vivem crises pessoais veladas, insatisfeitos com o moviemnto evangélico e sua espiritualidade mercantilista e personalista (isto sim, é idolatria).

    Já ouvi - em meus tempos de protestante - vários discursos sobre a Igreja iguais ao seu (geralmente partindo de pessoas em busca de auto-afirmação). Por favor, não minta para a Verdade, pois só esta nos liberta. E se por imagens o sr. se refere aos santos ícones, estude melhor as Escrituras (principalmente em seus idiomas vernáculos), a teologia e sobre a Igreja ortodoxa, depois, podemos conversar.

    Tenha um pouco mais de humildade e agradeça quem lhe corrige, pois as correções ajudam os sábios e só os estultos a rejeitam. Experiência própria.

    Estou aguardando sua bibliografia sobre o tema em apreço (se é que ela existe).

    Atenciosamente,

    Pe. Mateus

    ResponderExcluir
  4. Sr. Pe. Mateus, as minhas fontes eu não posso citá-las, pois, digamos, é um segredinho de um anticlerical. O que o sr. tem que fazer é parar de adorar seres imaginários e estudar de verdade, pesquisar pra valer, só assim o sr. irá encontrar as verdades que não lhe foram mostradas em seus cursinhos teológicos, pois estes cursinhos só bitola cada vez mais a mente do cidadão, levando-o a crê mais ainda no mito de um carpinteiro pregado em uma cruz, morto para nos salvar(não sei de que), e o pior é acreditar que esse carpinteiro ressuscitou após três dias de morto e podrinho da silva! E mais, a alienação é tão grande que ainda acreditam que esse mesmo carpinteiro irá retornar do mundo do além para resgatar seus escolhidos, haja fé, hein!

    ResponderExcluir
  5. Sr. Francisco,

    Quem sabe eu poderia deixar de acreditar em "mitos", se os seus livrinhos secretos podessem ser conhecidos. Mas que pena, o senhor não os pode revelar, então, estamos destinados à ignorância (a verdade deve ter sido reservada a meninos prodígios, de sagas heróicas - quem de nos dois é o iludido?). Ts, ts, ts, ts...
    Por favor, me deixe com a minha fé; pelo menos, ela é honesta e não precisa de artifício retórico tão pueril.

    ResponderExcluir
  6. Adoro provocar chiliques religiosos nessa gente cheia de fé(ILUSÃO).

    ResponderExcluir

NÃO ACREDITO EM TUDO QUE ME DIZEM. E SÓ ACREDITO NA METADE DO QUE VEJO.